.

..

terça-feira, janeiro 31, 2006

 

Para a frente, pelo olho do cu do infinito dentro!

A coisa mais divertida que me aconteceu em todo o dia de hoje foi ler as seguintes passagens:

"Depois, levantam-se e continuam o passeio. Uma grande lua sai da espessura vegetal. Vincent olha para Julie e, de súbito, ei-lo enfeitiçado: a luz branca conferiu à rapariga a beleza de uma fada, uma beleza que o surpreende, beleza nova que de início ele não vira nela, beleza fina, frágil, casta, inacessível. E, de repente, sem saber sequer como foi que a coisa aconteceu, põe-se a imaginar-lhe o olho do cu. Bruscamente, inopinadamemente, a imagem ali está e ele já não pode afastá-la de novo.
(...)
Vincent enlaça Julie, beija-a, apalpa-lhe os seios, contempla a sua delicada beleza de fada e, entretanto, sem parar, imagina-lhe o olho do cu. Está com uma vontade imensa de lhe dizer: «Estou a fazer-te festas nos seios mas só penso no teu olho do cu.» Mas não consegue, a frase não lhe sai da boca para fora. Quanto mais pensa no olho do cu dela, mais Julie se torna branca, transparente e angélica, de tal maneira que se transforma numa impossibilidade proferir semelhantes palavras em voz alta.
(...)
Situação difícil aquela em que só podemos falar de uma coisa e em que ao mesmo tempo não estamos em condições de falardela: o olho do cu improferido fica na boca de Vincent como uma mordaça que o emudece. Olha para o céu como se nele buscasse socorro. E o céu acode-lhe: envia-lhe a inspiração poética; Vincent exclama: «Olha!» e faz um gesto na direcção da lua. «É como um olho do cu rasgado no céu!»
Vira para Julie o olhar. Transparente e meiga, ela sorri e diz: «Sim», porque há uma hora já que está disposta a admirar seja o que for que ele diga.
Vincent ouve o «sim» dela e tem vontade de mais. Julie tem um ar casto de fada e ele gostava de a ouvir dizer: « o olho do cu». Deseja ver aquela boca de fada pronunciar essas palavras, oh, como o deseja! Gostava de lhe dizer: repete comigo, o olho do cu, o olho do cu, o olho do cu, mas não se atreve. Em vez disso, caindo na armadilha da sua própria eloquência, atola-se cada vez mais na metáfora: «O olho do cu de onde sai uma luz macilenta que enche as entranhas do universo!» E estente o braço na direcção da lua: «Para a frente, pelo olho do cu do infinito dentro!»"

Além deste feliz momento, o comboio parou 15 minutos no Pragal "por motivo de súbita doença de um passageiro". Chegado a Lisboa, a circulação na linha azul estrava "interrompida por motivos alheios ao metropolitano" (a.k.a. alguém se suicidou e decidiu atrasar a vida de alguns robôs). Vinte e cinco minutos de espera.
De volta para casa, o autocarro demorou-se tanto no trânsito das 7 da tarde que perdi o comboio para Setúbal e tive que esperar meia hora pelo seguinte.
Gr9! (que é o imediatamente superior de gr8 [Great!]).
Ah, adivinhem qual era o livro.

segunda-feira, janeiro 30, 2006

 

Playground Love é de certeza uma das minhas músicas preferidas.

sexta-feira, janeiro 20, 2006

 

O que é bom

Sabem o que é bom? É vir a caminho de casa a pensar que vamos encontrar no quarto arrumadíssimo pela empregada.
E depois chegarmos e percebermos que a casa não cheira a limpo, porque é sexta-feira, não é dia da empregada vir, e o quarto está exactamente como o deixámos.
Mas depois lembro-me que o deixei... impecavelmente limpo e arrumado.
Pois é, consegui dar aquela derradeira arrumação completa ao quarto.

quarta-feira, janeiro 18, 2006

 

Malevil

De Robert Merle, é claramente um dos melhores livros que li nos últimos anos. Isto considerando que os anos passados realmente existiram e não são apenas uma memória com 6 segundos de idade que existe isoladamente na minha cabeça.
Gostei de várias coisas em "Malevil". Primeiro, gostei de como começa. Não começa com o nome de uma personagem - "Emannuel dormia quando..." - nem começa com uma descrição de um sítio num certo momento - "A lua estava no ponto mais alto do semi círculo que traça no céu, e um nevoeiro...". Ou seja, não começa como se estivesse a meio. Detesto quando os livros começam da mesma maneira que são durante todo o meio. Quando são os meus textos e contos, é uma coisa, mas com livros a sério, incomoda-me. Acho que é falta de imaginação e demasiada recorrência a uma fórmula de como escrever. Para isso vou ler blogues de pitas/jovens (ou photoblogues de pessoas que eu conheço de vista da minha escola).
Lidas algumas dezenas de páginas, reparo que ainda não me cansei. Ainda não distraí a minha mente que, embora os olhos continuem a seguir as letras, por esta hora já costuma deslizar por uma cadeia aleatória qualquer de pensamentos que desencatou sabe-se lá em que canto da minha cabeça. Depois tenho que voltar uma ou duas páginas atrás porque não registei nada dessa leitura ausente.
Não é que "Malevil" seja aquela coisa que "Prende bué o leitor" (embora me tenha prendido). Não penso que seja pelo suspense da história (embora tenha momentos de suspense e tensão, até para o leitor!). Mas é o equilíbrio da escrita que não me cansa. É como a diferença entre correr e andar rápido.
Bom, mas "Malevil" é uma história de um pequeno grupo de pessoas que sobrevive (por pouco), numa cave de um castelo, a um ataque nuclear. Bla bla bla, adeus raça humana, etc etc. Mas nesta história, o pós-apocalíptico está muito bem explorado. Há detalhes que invejamos não nos terem ocorrido. Se há algo que gosto em histórias que implicam acontecimentos que mudam a maneira como vivemos (ex: "Ensaio sobre a Cegueira") é quando os autores têm a capacidade de explorar até ao extremo as condições a que as personagens ficam entregues. A vida pós-apocalipse. Gosto quando é retratada com precisão, eficácia, e nada fica esquecido assim como nada é incoerente. Como se o autor tivesse de facto passado por lá.
Já não me lembro do último livro que li que me tenha realmente ligado às personagens. Ao ponto de gostar delas, de querer ler o livro para observar a vida delas, quase ter saudades. Olhando para os livros que aqui tenho arrumados, "O Fio da Navalha" é o primeiro que me salta a vista, como um livro em que o mesmo se passou. "Os Maias" é o segundo que reparo.
De facto, o mergulho na realidade da história e das personagens é tanto que nunca cheguei a personalizar o autor. Emmanuel, Miette, Collin, tenho uma face na minha mente para cada um deles. Muito vaga, claro... e só eu a percebo de tão vaga e desaparecida que é. Mas o autor, nem na mente o cheguei a individualizar. E acho que é bom quando este tipo de coisa acontece. É bom ler um livro e não encontrar demasiada evidência do autor, seja na escrita, seja na temática, seja nos diálogos, seja no que for. Se calhar também ajudou o facto de ter lido uma edição antiga (o suficiente para se ter divido em várias partes nas minhas mãos) que não inclui uma foto do autor ou a sua breve biografia.
Oh boy, like you care.
Bom livro, seja como for.

sexta-feira, janeiro 06, 2006

 

2006

Há uma coisa que não sinto: aquela fragmentação da nossa vida em anos. Também não tenho sensibilidade nos mamilos e não sinto nada lá além de pressão. Mas como foi passagem de ano vou falar da primeira coisa, aquilo da fragmentação da nossa vida em anos. Se bem que sei que estão mortinhos para ouvir falar dos meus mamilos.
Já estou um bocado atrasado. No sexto dia de Janeiro ninguém se interessa por conversas sobre o ano novo e a passagem para o mesmo. Há aquela excitação 3 dias antes, em que se fala nos (foto)blogues sobre o ano que passou, as pessoas que conheceram e que são invariavelmente o motivo para o ano ter sido excelente porque conhecemos sempre pessoas fantásticas e a nossa faculdade é o máximo e o nosso curso é o melhor. Ás vezes fala-se indirectamente daquele desgosto amoroso e das pessoas que nos desiludiram, e refere-se frequentemente tudo isso sob o termo "aprendi muito este ano".
Depois há a passagem, e um ou dois dias depois aparecem as fotos do pessoal a divertir-se na casa de alguém, roupa fashion, maquilhagem, sorrisos, garrafas na mão, mão no ar. E depois vêm descrições sobre como foi astronomicamente espectacular, absurdamente divertido, foi "lindo mm" e etc. Aquela descrição que não se prolonga porque "quem lá esteve sabe como foi". Ou seja, foi aquele tipo de "mesmo bom" que é indiscritível. É sempre. Mas eu suspeito que seja um bocado como as viagens de finalistas. Geralmente não são ASSIM TÃO BOAS como se descreve. Same goes for praxes e outros eventos. Com excepções, claro.
Depois desaparece tudo. Vida normal. Já ninguém quer saber da passagem de ano, e já não faz ninguém reagir quando se escreve sobre isso no dia 6 de Janeiro. Ou, como o meu computador me indica, 26 de Abril. Espero não ter dormido assim tanto.
Com isto tudo esqueci-me do que queria falar em relação ao fim de ano, exactamente.
Ah, já sei, os meus mamilos!
Pois é, sabem aquela brincadeira máscula de apertar os mamilos aos amigos? E eles contorcem-se todos e depois vingam-se quando menos esperamos? Hehe, sou o rei. Não me dói nada.
Para além deste interessantíssimo facto, há ainda aquilo de não sentir aquela fragmentação em anos que fazemos da nossa vida. Parece que vivo num contínuo, um ano gigante que dura a minha vida toda. As estatísticas que apresentei no post anterior, são o máximo de retrospecção que faço - mais não me convém. 10 minutos para pensar em tudo o que se passou em 365 dias, exceptuando tudo o que não me sai da cabeça todos os dias, claro. E que vai continuar a martelar a minha cabeça como se tivesse sido ontem - lá está, um ano contínuo que dura toda a minha vida.

Hum. Ia despejar aqui uma série de coisas de seguida, umas coisas sobre as quais queria falar mas não anotei em lado nenhum para mais tarde não me esquecer.

segunda-feira, janeiro 02, 2006

 

2005

Estatítsicas para 2005:

Li 26 livros,
bebi 38 Yops de chocolate por causa de um concurso,
ganhei zero concursos,
fui a 11 concertos,
1 festival de música de verão,
envolvi-me em 5 ou 6 projectos,
terminei 0 projectos,
tive 6 amigdalites,
programei 3 vezes a derradeira arrumação da totalidade do meu quarto,
arrumei parcialmente o quarto 2 vezes,

não me apetece fazer mais.

Arquivos

Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Junho 2005   Julho 2005   Agosto 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Agosto 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Janeiro 2009   Janeiro 2012  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]