.

..

sexta-feira, janeiro 06, 2006

 

2006

Há uma coisa que não sinto: aquela fragmentação da nossa vida em anos. Também não tenho sensibilidade nos mamilos e não sinto nada lá além de pressão. Mas como foi passagem de ano vou falar da primeira coisa, aquilo da fragmentação da nossa vida em anos. Se bem que sei que estão mortinhos para ouvir falar dos meus mamilos.
Já estou um bocado atrasado. No sexto dia de Janeiro ninguém se interessa por conversas sobre o ano novo e a passagem para o mesmo. Há aquela excitação 3 dias antes, em que se fala nos (foto)blogues sobre o ano que passou, as pessoas que conheceram e que são invariavelmente o motivo para o ano ter sido excelente porque conhecemos sempre pessoas fantásticas e a nossa faculdade é o máximo e o nosso curso é o melhor. Ás vezes fala-se indirectamente daquele desgosto amoroso e das pessoas que nos desiludiram, e refere-se frequentemente tudo isso sob o termo "aprendi muito este ano".
Depois há a passagem, e um ou dois dias depois aparecem as fotos do pessoal a divertir-se na casa de alguém, roupa fashion, maquilhagem, sorrisos, garrafas na mão, mão no ar. E depois vêm descrições sobre como foi astronomicamente espectacular, absurdamente divertido, foi "lindo mm" e etc. Aquela descrição que não se prolonga porque "quem lá esteve sabe como foi". Ou seja, foi aquele tipo de "mesmo bom" que é indiscritível. É sempre. Mas eu suspeito que seja um bocado como as viagens de finalistas. Geralmente não são ASSIM TÃO BOAS como se descreve. Same goes for praxes e outros eventos. Com excepções, claro.
Depois desaparece tudo. Vida normal. Já ninguém quer saber da passagem de ano, e já não faz ninguém reagir quando se escreve sobre isso no dia 6 de Janeiro. Ou, como o meu computador me indica, 26 de Abril. Espero não ter dormido assim tanto.
Com isto tudo esqueci-me do que queria falar em relação ao fim de ano, exactamente.
Ah, já sei, os meus mamilos!
Pois é, sabem aquela brincadeira máscula de apertar os mamilos aos amigos? E eles contorcem-se todos e depois vingam-se quando menos esperamos? Hehe, sou o rei. Não me dói nada.
Para além deste interessantíssimo facto, há ainda aquilo de não sentir aquela fragmentação em anos que fazemos da nossa vida. Parece que vivo num contínuo, um ano gigante que dura a minha vida toda. As estatísticas que apresentei no post anterior, são o máximo de retrospecção que faço - mais não me convém. 10 minutos para pensar em tudo o que se passou em 365 dias, exceptuando tudo o que não me sai da cabeça todos os dias, claro. E que vai continuar a martelar a minha cabeça como se tivesse sido ontem - lá está, um ano contínuo que dura toda a minha vida.

Hum. Ia despejar aqui uma série de coisas de seguida, umas coisas sobre as quais queria falar mas não anotei em lado nenhum para mais tarde não me esquecer.

Comentários:
Se esses mamilos falassem...
 
Se conseguisse, preferia ter a noção de tempo que tu tens, sem anos a delimitar fases da nossa vida. A verdade é que de ano para ano, só muda mesmo o dígito, o resto muda porque tem que mudar. E isto das festas e do FOI MÊME LINDO! realmente já enjoa um bocado e não é dor de cotovelo, é que parece que não se pode NÃO gostar, parece k a malta fashion não se pode dar ao luxo de não gostar das bebedeiras por exemplo e não em venham com coisas, porque cá para mim mt gente atura coisas deprimentes pa n ficar sozinho... enfim

Olha, eu cá gostei da minha e já ag dispensava conhecer esse teu lado insens´´ivel (mamilos) hahah
**

miss goiabada:P
 
E mais não acrescento! ;)
Anyway... acho que devias escrever um livro sobre a sensibilidade dos teus mamilos, garanto-te que tinhas sucesso!!! hahaha
 
Já acompanho o teu blog há algum tempo. Gosto. Vou-te "linkar".


Cheers =)
 
pois não é por acaso que existem mil calendários diferentes, e que se é 2006 para uns é outra coisa qualquer para outros. esta coisa dos anos, dos dias e das horas é apenas uma invenção para a organização humana que só consegue viver com rotina! mas eu concordo contigo, a vida não se fragamenta em anos, mas muitas pessoas obrigam-se a fazê-lo pois o desejo que "para o ano será melhor" não morre, e o melhor nisto tudo é que o ano que vem vai ser melhor, sem sequer nos esforçarmos...enfim, é uma maneira de continuar a sobreviver como alma penada!
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Junho 2005   Julho 2005   Agosto 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Agosto 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Janeiro 2009   Janeiro 2012  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]