.

..

terça-feira, janeiro 31, 2006

 

Para a frente, pelo olho do cu do infinito dentro!

A coisa mais divertida que me aconteceu em todo o dia de hoje foi ler as seguintes passagens:

"Depois, levantam-se e continuam o passeio. Uma grande lua sai da espessura vegetal. Vincent olha para Julie e, de súbito, ei-lo enfeitiçado: a luz branca conferiu à rapariga a beleza de uma fada, uma beleza que o surpreende, beleza nova que de início ele não vira nela, beleza fina, frágil, casta, inacessível. E, de repente, sem saber sequer como foi que a coisa aconteceu, põe-se a imaginar-lhe o olho do cu. Bruscamente, inopinadamemente, a imagem ali está e ele já não pode afastá-la de novo.
(...)
Vincent enlaça Julie, beija-a, apalpa-lhe os seios, contempla a sua delicada beleza de fada e, entretanto, sem parar, imagina-lhe o olho do cu. Está com uma vontade imensa de lhe dizer: «Estou a fazer-te festas nos seios mas só penso no teu olho do cu.» Mas não consegue, a frase não lhe sai da boca para fora. Quanto mais pensa no olho do cu dela, mais Julie se torna branca, transparente e angélica, de tal maneira que se transforma numa impossibilidade proferir semelhantes palavras em voz alta.
(...)
Situação difícil aquela em que só podemos falar de uma coisa e em que ao mesmo tempo não estamos em condições de falardela: o olho do cu improferido fica na boca de Vincent como uma mordaça que o emudece. Olha para o céu como se nele buscasse socorro. E o céu acode-lhe: envia-lhe a inspiração poética; Vincent exclama: «Olha!» e faz um gesto na direcção da lua. «É como um olho do cu rasgado no céu!»
Vira para Julie o olhar. Transparente e meiga, ela sorri e diz: «Sim», porque há uma hora já que está disposta a admirar seja o que for que ele diga.
Vincent ouve o «sim» dela e tem vontade de mais. Julie tem um ar casto de fada e ele gostava de a ouvir dizer: « o olho do cu». Deseja ver aquela boca de fada pronunciar essas palavras, oh, como o deseja! Gostava de lhe dizer: repete comigo, o olho do cu, o olho do cu, o olho do cu, mas não se atreve. Em vez disso, caindo na armadilha da sua própria eloquência, atola-se cada vez mais na metáfora: «O olho do cu de onde sai uma luz macilenta que enche as entranhas do universo!» E estente o braço na direcção da lua: «Para a frente, pelo olho do cu do infinito dentro!»"

Além deste feliz momento, o comboio parou 15 minutos no Pragal "por motivo de súbita doença de um passageiro". Chegado a Lisboa, a circulação na linha azul estrava "interrompida por motivos alheios ao metropolitano" (a.k.a. alguém se suicidou e decidiu atrasar a vida de alguns robôs). Vinte e cinco minutos de espera.
De volta para casa, o autocarro demorou-se tanto no trânsito das 7 da tarde que perdi o comboio para Setúbal e tive que esperar meia hora pelo seguinte.
Gr9! (que é o imediatamente superior de gr8 [Great!]).
Ah, adivinhem qual era o livro.

Comentários:
não faço a mais pálida ideia!
 
nah.. esse n é!
 
pronto.. afinal até já o li... é uma vergonha!!!
 
Mas afinal qual é o livro que contém este pedaço de história que, a um dado momento na vida, já aconteceu com a maioria de nós?...
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Junho 2005   Julho 2005   Agosto 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Agosto 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Janeiro 2009   Janeiro 2012  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]