.

..

segunda-feira, junho 12, 2006

 

Afirmação

Auto-afirmação, não sei porquê, tornou-se uma febre. Uma condição do existir hoje em dia. Tornou-se uma auto-imposição de nós próprios. Temos sempre que estar a derramar-nos para cima de toda a gente, a vomitar-nos na cara dos outros, senão já não nos sentimos bem.
Infelizmente, temos uma ideia completamente errada do que são as coisas que nos representam. Pensamos que nos definimos por beber e fumar, por ouvir banda X e Y.
A música é uma das principais coisas que gostamos de pensar que nos definem. Hoje em dia, cada banda ou estilo de música funciona como uma listagem de valores ou um sistem de atitudes ao qual subscrevemos, com a qual assinamos um contrato que diz que determinado estilo musical nos representa totalmente. Ao estamparmos um monte de bandas Hardcore na bolsa da mochila e nas t-shirts que usamos, estamos a deixar (por vontade própria) que estas bandas falem por nós, que nos definam e sejam os nossos embaixadores.
Perguntem a alguém: "Fala-me de ti" e alguém começará assim: "Curto Green Day, Slipknot, etc etc".
Eu não acredito que isto defina alguém, mas essa não parece ser a crença comum, porque a música é um dos factores mais considerados no que diz respeito ao traçar da nossa personalidade. Basta vermos um dos milhões de profiles de cada pessoa que conhecemos que andam na net.
Estes profiles merecem um parágrafo só para si, porque são uma das maiores evidências da preocupação maioritariamente juvenil em se auto-afirmar acima de tudo. Falo nomeadamente de Hi5, MySpace, Orkut, entre outros que, diferindo num ou noutro detalhe (o MySpace permite ter uma música a tocar, o ZEBO tem um sistema de classificação de amigos que, de acordo com o publicitado, nos permite ver quem é realmente nosso amigo), oferecem todos o mesmo - a oportunidade de falarmos de nós, das coisas que gostamos ou não, da música que ouvimos (porque, lá está, achamos que isso nos define), uma oportunidade de pormos fotografias de nós próprios para que outros possam ver o quanto bem ficámos naquele ou no outro momento.
Estes sites vendem, no fundo, a oportunidade de exercitarmos exibicionismo. A oportunidade para expandir o nosso eu para cima dos outros - uma actividade prioritária na sociedade de hoje.
Justificado por imensos motivos, isto acontece não só por julgarmos que são estas as coisas que nos definem, mas por vivermos sob a convicção (imposta) de que se não nos expressarmos, não existimos. E serão estranhos aqueles que encontrarem uma maneira de ser que não signifique forçar a sua imagem aos olhos dos outros, que não implique uma explosão barulhenta das bandas que goste ou das opiniões sobre tudo.
Pior que este fenómeno de auto-afirmação imperativa, é o fenómeno de onde este primeiro advém: a falsa impressão de superioridade.

Deixo-o para mais tarde. Agora tenho que ir criar um filtro no GMail para a palavra ZEBO.

Comentários:
Gosto daqueles que não se gostam de afirmar, embora não seja um deles, porque o meio em que vivo não me permite muito, e a trajectoria de vida tambem não me permitiu que assim fosse. Mas todos nós temos um pouco de afirmação a querer borbulhar para fora, mediante uma determinada situação. É assim que funciona o ser humano, auto-afirmação, leva a um ego maior, por sua vez incrementa o nosso status no meio em que vivemos e isso leva a bem estar pessoal para muita gente.

E logo eu que sou de tavira, onde o fotolog e o HI5 é um critério essencial para seres um "fixe" e uma "fofuxa".

You know what I mean, after all, you've been there.

No outro dia fiz uma experiência. Começei a ver um fotologue de mirandela, e 3 fotologues depois de segui links ao acaso fui ter a um fotologue de tavira. Completamente ao acaso lol.

Acho graça a estes promenores.
 
pois, hoje em dia toda a gente (em que me incluo) tem um "olá 5" cheio de fotos e frases bonitas, ou com tudo aquilo que lhe apetece, porque as opções para personalizar são cada vez mais. não acho isso mal, não oferecemos a ninguém aquela foto em que achamos que estamos horriveis, nem aquela em que estamos de boca cheia! oferecemos aquela em que achamos que estamos particularmente bonitos, porque isso tb nos faz sentir melhor. e depois só levamos com as imagens dos outros se assim o quisermos, podemos muito bem viver à margem do hi5 e dos seus 500primos. o que acho grave, é as pessoas que passam horas a mudar profiles e a navegar em programas desses, será que n têm mais nada para fazer?ou mais interessante? talvez não.
definir alguem não é facil nem sei se possivel,e definirmo-nos a nós proprios é ainda mais, e impossivel com meia duzia de linhas. quanto à questão das bandas nos definir...bem cada vez mais isso é menos assim, apesar de tal como sizes as pessoas acharem que sim. mas acho que a forma como vives a musica pode falar de ti.
o que me preocupa, no meio disto tudo, é que a definição de si próprio é obrigatoriamente a definição do vizinho do lado "não se vá pensar que sou eu menos que ele". se por um lado a auto-afirmação impera, por outro a pobreza de espirito é ainda maior, o medo de ser diferente e de já não ser aceite por não se gostar da banda a ou b, ou por não se ter o penteado da moda.

ser-se quem se é complicado...
 
Esqueceste-te dos Blogs. São outro objecto fruto da necessidade de afirmação..
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Junho 2005   Julho 2005   Agosto 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Agosto 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Janeiro 2009   Janeiro 2012  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]