.

..

terça-feira, outubro 11, 2005

 

Adoro dinheiro.

É verdade, adoro dinheiro. Gostava de ter imenso, mesmo muito, muito como o Bill Gates, em números tão elevados que eu não conseguisse criar uma noção de quanto dinheiro tenho. Tanto como estrelas e como o tamanho do universo.
Queria ser podre de rico. Ser tão rico que podia comprar o que quisesse quantas vezes quisesse, e mesmo depois disso olhava para o meu saldo e nem sequer tinha diminuido um dígito. Só por ser assim rico seria automaticamente odiado por alguns comunistas mas valeria a pena, claro.
Neste aspecto não sou o tipo de pessoa humilde que se contenta com um apartamento simples numa zona calma da cidade, com ter dinheiro para o que precisa e um luxo de vez em quando. Claro que vocês que estão a ler são assim, porque vocês são mega-morais e perfeitos. Mas eu não. Eu queria uma vivenda, não, um palácio, com um terreno do tamanho de Setúbal, e uma pista de aterragem para eu poder atravessar esse terreno de jacto. Ou um helicópetro! Ou os dois! Sim, os dois. Nunca se sabe com que mood acordo de manhã.
Não, não acho que o dinheiro seja o mesmo que felicidade. Mas costumo pensar que é perto suficiente. Até porque, quem é que é realmente feliz neste mundo? Ninguém (tirando quem lê o meu blogue). Portanto não há mal nenhum em chegar à felicidade pelo dinheiro. Até porque acho que o dinheiro é muito útil no que se trata de felicidade. Já sei as opiniões comuns, o amor é a felicidade, ou a auto-realização é a felicidade, ou ambos... e parece-me que sou o único que pensa que, se viver com a pessoa amada debaixo de uma ponte a ver os filhos morrer de frio e fome, não serei lá muito feliz.
A vantagem de ser podre de rico é que, quando somos atacados pelas mesmas infelicidades que os não-podres-de-ricos, podemos ir uma semana, ou um mês, ou dois, para um país qualquer e esquecer melhor o assunto. Se a minha mulher me deixar, eu prefiro ter a possibilidade de ir fazer um cruzeiro por não sei quantas ilhas exóticas. Prefiro não ter que ficar na minha casa cheia de memórias espalhadas por todo o lado, de coisas que fazíamos juntos. Nem quero repetir as mesmas rotinas e não conseguir escapar aos pensamentos. Ilhas exóticas, venham elas.
Talvez mande uma carta ao Bill Gates a pedir dinheiro só porque sim. E escrevo lá "Porque não?" que é a resposta para quando ele pensar "Porque é que lhe havia de mandar dinheiro?". Nos filmes resulta.
O melhor de ser rico, quanto a mim, não é poder ter montes de coisas. Eu, quando junto dinheiro, faço-o pelo simples prazer de o ter. De poder comprar um monte de coisas, mesmo que não compre. Gosto do poder, do potencial do meu saldo monetário. Sou daqueles que quando morrer, se possível, deixará muito dinheiro não gasto. Toda a gente me diz que não vale a pena ter dinheiro se nunca vou gastar e eu discordo: eu gosto de o ter, mais de que o gastar. Mais do que ter coisas caras, eu gosto de ter dinheiro que pode comprar coisas caras.
Acho que isto vai contra qualquer coisa escrita aí no meio de um post dos últimos dias. Talvez não. Se for o caso, tenho a certeza que alguém mo vai apontar.

Comentários:
lololololol Demais! Subscrevo.
 
O pessoal joga ao euro milhões não é à toa ...
Quem me dera ...
Se o ganhasse também não ia ser brando nos luxos, porque o dinheiro não foi feito para trocar e sim para gastar ...
 
Como te disse antes, com o dinheiro podes escolher e não tens que te limitar às coisinhas que nos são permitidas. Podemos ir mais longe, ver mais, ouvir mais, conhecer mais. Viver mais, pk não? Viver coisas fantásticas que o dinheiro pode proporcionar, ter um pc topo de gama que nunca bloqueia, ter uns ténis que são mesmo confortáveis e onde nunca entra água, poder espairecer quando nos chateamos com o namorado/a e desaparecer por esse mundo fora, ler tudo o que queremos sem olhar para o preço do livro, comprar os cds em vez de fazer aquilo que todos (ou quase todos) fazem, montar o meu estúdio de fotografia, ir a concertos fora de Portugal, estudar lá fora, oferecer altas prendas às pessoas de quem gosto... Será assim tão superficial e condenável querer tirar proveito de tudo o que a vida nos pode dar?

A minha mãe jogou hoje no euromilhões:P

sunny*
 
"Até porque, quem é que é realmente feliz neste mundo? Ninguém (tirando quem lê o meu blogue)." rofl :P

Eu queria ter dinheiro para comprar o mínimo e indispensavel, agora o que será para mim o mínimo e indispensável?hum... uma vida abastada e sem ter que contar os tostões...
 
Montes de dinheiro e um skatepark feito de ouro...com notas dentro da pool.*sight*
 
não vou tar fugir ao cliché só porque é foleiro seguir o cliché, pois acabava por ser igualmente cliché. o dinheiro a menos tras certos problemas, dinheiro a mais tras outros. a ti e aos outros.ao menos se eu não for rico tenho a certeza que a minha mulher não se vai casar comigo por causa do dinheiro e que o meu filho não vai ser um mimado k tem tudo d mao beijada :P isto dito num tom mais de brincadeira mas tem muito por onde se pega
aparentando ser mega-moral e perfeito, o ideal para mim é estar naquele ponto que não tenho os problemas dos pobres e dos ricos. esta é a minha sincera opinião
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Junho 2005   Julho 2005   Agosto 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Agosto 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Janeiro 2009   Janeiro 2012  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]